domingo, 30 de novembro de 2008

Alguém especial

Uma bailarina de um certo programa dominical, ao ser interpelada pelo apresentador se estava namorando, disse que estava “em processo seletivo”. Como a moça é muito bonita, no domingo seguinte o apresentador mostrou os mais de três mil e-mails e cartas enviados por candidatos à vaga.

Mais uma vez questionada do porquê de estar só, sendo tão bela, a bailarina disse que preferia estar só a mal acompanhada e que esperava por “alguém especial”. Isso me interessou.

Afinal, o que é “alguém especial”? A brincadeira (será?) do “processo seletivo” e interesse por “candidatos à vaga” pareceu-me algo excessivamente empresarial. O “especial” passa a ter a aparência da necessidade de valores. Não valores subjetivos e que dizem respeito ao caráter, mas sobretudo àqueles que interessam aos bancos.

Ou é isso ou passamos por uma crise moral sem precedentes. Se uma mulher extremamente bela, aparentemente simpática e inteligente não encontra um “cara legal”, o que restará às menos privilegiadas?

Talvez um dos grandes males seja a espera pelo “pacote pronto”. Talvez a moça aguarde o seu “alguém especial” chegando montado em uma Kawasaki branca (cavalo branco já está fora de moda), belo, íntegro, com um sorriso de propaganda de creme dental e cabelos de comercial de shampoo, sarado e tão bem vestido como um James Bond. Aguarda que ele pare a moto, retire o capacete (sim, é claro que alguém especial usa capacete), lhe sorria, comece tocar ao fundo um tema musical (que depois identificaria como sendo a “música deles”). Nas apresentações ele diz “oi, eu sou alguém especial”. E assim vivem felizes para sempre.

Como o País das Maravilhas há tempos já pegou fogo, só resta pedir para as Alices de plantão acordarem e descobrirem que ninguém é especial simplesmente por sê-lo. As pessoas se tornam especiais, mesmo com milhões de defeitos. Assim são os relacionamentos onde o sentimento impera.

Para todos os outros casos existe Mastercard.

3 Comentários:

Blogger Bárbara disse...

mesmo sendo simpatica, linda aparentemente inteligente e bacana talvez lhe falte uma coisa muito simples.. desejo de troca.. e principalmente aceitação dos seus proprios defeitos... quando paramos pra enxergar o montinho de merdinhas que temos aqui dentro essa história do alguém especial = perfeição some.. e assumimos a postura da troca de merdinhas.. kkkkk.. não sei se fui clara mas acho que deu pra entender.. bacana o texto

3 de dezembro de 2008 08:48  
Anonymous Anônimo disse...

Hummm...texto interessante e muuito realista..mas tenho que discordar...talvz seja bela para alguns..inteligente para outros....mas o fato é q o tal príncipe de Alice...nem sempre vai ser o cara....ele pode ser um cara cheio de defeitos..e afinal ninguém é perfeito mesmo...mas que no final...faz vc ter vontade..desejo....amor....e ser especial...não tem regra nem padrão pra seguir...basta simplesmente ser...e no final das contas...todo mundo quer ter alguém especial por perto..o principal...é querer e permitir que alguém simplesmente...SEJA!!!

17 de dezembro de 2008 16:48  
Blogger Fernanda Pereira disse...

o pacote completo não vem. é uma coisa já tão planejada, que fica difícil encontrar alguem que esteja aos pés da "pessoa imaginária perfeita".
lindo texto!

18 de dezembro de 2008 15:24  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial