quarta-feira, 19 de junho de 2013

Frederico

A grama tem cheiro de liberdade. A dureza do concreto das calçadas e o calor do asfalto tem algo de repressivo. A umidade da noite presente na grama amanhecida, ainda cedo, antes de o Sol forte, é a materialização da liberdade perdida na impermeabilização de asfaltos e calçadas. E Frederico sabe disso muito bem.
O passeio matinal, cuja farra consiste em se lembrar presente pelos odores do dia anterior, marcar sua presença por onde passa e dar umas corridinhas de leve, só pra cansar um pouco, é festejado com o refestelar pelo gramado, deitado de costas e sentindo cada vértebra em contato. A grama úmida, a terra molhada, o frescor.
Normalmente Frederico levava Nadir para passear nas calçadas, cuidando para que tudo transcorresse em segurança. Nunca atravessava as ruas. Guiava Nadir pelo quarteirão, apenas. Mas tudo é uma prisão e as calçadas eram só a continuação da vida engaiolada no apartamento. A grama foi a redenção. Nadir acompanhou e gostou da novidade.
Desde então, Frederico conduz Nadir com cuidado. Saem do apartamento, chegando à calçada seguem pela esquerda, vão até o fim do quarteirão, atravessam a rua, caminham na calçada do outro lado, mais um quarteirão pela direita, um pouco mais em frente e chega na praça. Todos os dias, bem cedinho, antes do trabalho. Grama úmida, dia fresco, liberdade à solta e Frederico com uma indisfarçável alegria que sempre emenda, ao fim do passeio, com a certeza da volta no dia seguinte.

1 Comentários:

Anonymous Welyda Cristina disse...

No embalo da leitura é possível imaginar a jubilosidade do cãozinho e a satisfação de sua dona.
Parabéns ao autor pela a arte de transpor os acontecimentos exatamente como eles são.

5 de setembro de 2013 08:22  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial